Saiba mais sobre os controles e parâmetros de um compressor

Conheça os controles e parâmetros de um compressor

Dependendo do compressor que você está usando, e se é analógico ou um plug-in, existem alguns parâmetros e controles comuns que você vai usar para “ditar” o comportamento da compressão. Abaixo estão alguns dos elementos básicos de um compressor. O compressor pode ou não incluir todos eles, mas compreender o que cada um faz, lhe permitirá trabalhar confortavelmente com uma ampla gama de compressores.

Threshold

O controle threshold define o nível em que o efeito de compressão está envolvida. Apenas quando um nível passa acima do threshold que vai ser comprimido. Se o nível de threshold é de -10dB por exemplo , apenas os picos de sinal que se estendem acima desse nível será comprimido. O resto do tempo, nenhuma compressão estará ocorrendo.

Knee

O “Knee” refere-se à forma como as transições de compressores entre os estados não- comprimido e comprimido de um sinal de áudio que passa por ele. Normalmente, compressores vão oferecer um, ou em alguns casos, uma opção selecionável entre ambos, um “soft Knee” e ” hard knee”. Alguns compressores ainda permitem que você controle a seleção de qualquer posição entre os dois tipos de Knee. como você pode ver no diagrama, um “soft knee” permite uma compressão suave e mais gradual do que um ” hard knee “.

Knee

Knee

 

Time Attack (tempo de ataque)

Isso se refere ao tempo que o sinal leva para se tornar plenamente comprimido após exceder o nível de threshold. Ataque rápido é normalmente entre 20 e 800us (microssegundos), dependendo do tipo e marca de compressor, enquanto o ataque lento, geralmente varia de 10 a 10ms (milissegundos). Alguns compressores podem expressar isso em dB por segundo, em vez de tempo. Ataque rápido pode criar distorção modificando ondas de baixa frequência (Ex. Se um ciclo de 100 Hz dura 10ms, então um ajuste de 1ms no ataque terá tempo para alterar a forma da onda, gerando assim, distorção).

Faça o curso de masterização hoje mesmo,
Acesse: www.promastering.com.br/matricule-se

Release Time (Tempo de liberação)

Este é literalmente o oposto do tempo de ataque. Mais especificamente, é o tempo que leva para que o sinal para ir do – estado comprimido de volta para o sinal original não comprimido. O tempo de Release será consideravelmente mais longo do que os tempos de ataque, geralmente variando em qualquer lugar 40-60 ms para 2-5 segundos, dependendo de qual compressor que você está trabalhando. Estes também podem às vezes ser referenciado em dB por segundo ao invés de tempo. A operação normal do compressor será estabelecer o tempo de release a ser tão curto quanto possível, sem produzir um efeito de ” bombeamento”, que é causado pela ativação e desativação do ciclo de compressão. Por exemplo, se o tempo de release é muito curto e o compressor varia entre ativo e não ativo sobre o áudio (geralmente o baixo e bumbo) teremos modificação aparente no piso de ruído, resultando em um efeito de “respiração”.

SSL Compressor

SSL Compressor

 

Ratio (Taxa de Compressão)

Este parâmetro é frequentemente mal compreendido, mas simplesmente especifica a quantidade de atenuação para ser aplicada ao sinal. Você vai encontrar uma grande variedade de índices disponíveis, dependendo do tipo e do fabricante do compressor que está usando. Uma proporção de 1:1 (um pra um) é a mais baixa e que representa a “unidade de ganho”, ou, por outras palavras, sem atenuação. Estas taxas de compressão são expressas em decibéis, de modo que uma relação de 2:1 (dois pra um) indica que um sinal que excede o threshold de 2 dB será atenuado até 1 dB acima do threshold, ou um sinal que excede o threshold de 8 dB será atenuado em 4 dB acima dele, e assim por diante. Uma relação de cerca de 3:1 (três pra um) pode ser considerado compressão moderada , 5:1 (cinco pra um) seria compressão média média, 8:1 (oito pra um) começa uma compressão mais forte, e 20:1 (Vinte pra um) através ∞ : 1 (Infinito pra um) seria considerado “limitando” por mais e pode ser usado para assegurar que um sinal de não exceder a amplitude do Threshold. O diagrama abaixo mostra as taxas de compressão, como elas se relacionam com os sinais de entrada e saída, e ilustra como definir a sua taxa de compressão irá afetar o sinal geral.

Ratio

Ratio

Output Gain (Nível de Saída)

Apesar da compressão ser geralmente utilizada para gerar um sinal mais robusto, sempre temos uma redução do nível de saída. Aí entram em cena o “Output Gain , ou “MakeUp Gain “. Você pode usar o ganho de saída para compensar a atenuação feito pelo compressor. Alguns compressores irão fornecer medidores que podem ser colocados em modo de “Gain Reduction” (redução de ganho) “GR”, ou para indicar visualmente a atenuação total em dB, o que lhe permite aplicar com precisão a quantidade correta de “Output Gain” (ganho de saída).

Espero que tenham gostado, não esqueçam de comentar e compartilhar!

 

Baseado no artigo fonte: Blog Universal Audio

About The Author

Leandro Amaral

Engenheiro de Masterização. Resposável pelos portais: Masterizacao.Com | www.ProMastering.com.br